Contigo!
Busca
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Youtube Contigo!Tiktok Contigo!Spotify Contigo!
Notícias / SAÚDE

Diagnosticada com condição que provoca 'pior dor do mundo', brasileira junta recursos para eutanásia

Diagnosticada com neuralgia do trigêmeo, doença conhecida por provocar a 'pior dor do mundo', Caroline Arruda arrecada recursos para realizar eutanásia fora do país; saiba mais

Redação CONTIGO! Publicado em 03/07/2024, às 14h28

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Diagnosticada com condição que provoca 'pior dor do mundo', brasileira junta recursos para eutanásia - Arquivo pessoal
Diagnosticada com condição que provoca 'pior dor do mundo', brasileira junta recursos para eutanásia - Arquivo pessoal

Aos 16 anos, enquanto estava grávida, Caroline Arruda, teve uma dor de cabeça terrível, que, apesar da intensidade, não demorou a passar. Meses depois, todavia, a jovem começou a ter episódios de dores excruciantes com frequência. Após quatro anos, foi diagnosticada com neuralgia do trigêmeo, condição conhecida por causar a 'pior dor do mundo'. Agora com 27 anos, a mineira está juntando recursos para realizar eutánasia fora do Brasil. 

A moça passou por 27 especialistas até ser diagnosticada com neuralgia do trigêmeo. As dores lancinantes são provocadas pela compressão do nervo trigêmeo, responsável pela sensibilidade de grande parte da face. A compressão pode ocorrer devido ao contato com algum vaso sanguíneo ou por alguma má-formação.

O mais comum é que o distúrbio atinja um lado da face. Caroline, entretanto, tem os dois lados da face afetados pela neuralgia. Ela já passou por 4 cirurgias. "Tenho a neuralgia dos dois lados, o que é raro. As três primeiras operações que fiz não tiveram nenhum resultado. Na última, tive uma sequela que deixou parte do lado direito do meu rosto paralisado", contou ela ao UOL. 

As dores a impedem de realizar atividades do dia a dia, como tomar banho e lavar a louça. Por conta disso, a filha de 11 anos vive com a bisavó. Caroline toma várias medicações para tentar controlar as dores.

"Já são 11 anos convivendo com essa dor. Tomo morfina e outros medicamentos ainda mais fortes todos os dias. As pessoas muitas vezes acham que é drama e que a dor não é tão intensa assim, mas quem não sofre com essa doença nunca vai conseguir entendê-la", expôs ela à BBC Brasil.

Caroline tomou a decisão de buscar a eutánasia, procedimento médico em que a vida do paciente é cessada para aliviar o sofrimento provocado por alguma doença. No Brasil, a eutánasia é proibida. A moça pretende realizá-la na Suíça, onde é permitido, e abriu uma vaquinha online para custear a intervenção. "Busco apenas paz e alívio", escreveu ela na página. 

A moça falou sobre como a família encara a decisão: "A minha filha fala que, para uma pessoa chegar ao ponto de querer tirar a própria vida, é porque a dor é muito forte. Então ela compreende. Ao mesmo tempo, diz que vai sentir falta, que eu preciso pensar nela também. A minha família fala a mesma coisa, eles compreendem, mas não aceitam".

Ela disse que já teria passado pelo procedimento caso não proibido no Brasil. "[A eutanásia] está mais relacionada com empatia, com fornecer uma morte digna para a pessoa, Se fosse legalizada no Brasil, eu já teria feito", relatou.

@caarrudar#neuralgiadotrigêmeo#dor#doencasraras ##maternidade♬ som original - Carolina Arruda
@caarrudar Eu e meu marido tínhamos marcado de jantar hoje para comemorar nossos 3 anos de casados, mas como sempre essa doença maldita atrapalhou nossos planos... #neuralgiadotrigêmeo#doencasraras#maternidade#eutanasia♬ som original - Carolina Arruda