Contigo!
Busca
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Youtube Contigo!Tiktok Contigo!Spotify Contigo!
Notícias / MUNDO

Mãe que assumiu ter matado o filho com câncer morre ao lado da família

Antonya Cooper, a mãe que assumiu ter matado o filho com câncer terminal, morreu aos 77 anos

Redação Contigo! Digital Publicado em 08/07/2024, às 22h23

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Polícia foi atrás de Antonya Cooper após declaração - Foto: Reprodução/X/BBC
Polícia foi atrás de Antonya Cooper após declaração - Foto: Reprodução/X/BBC

Antonya Cooper, de 77 anos, uma mãe que admitiu ter matado o filho de sete anos para acabar com o seu sofrimento com os efeitos colaterais do tratamento e sintomas de câncer terminal, morreu na última semana na Inglaterra. 

De acordo com informações divulgadas pela BBC, a britânica recebeu um diagnóstico de câncer de mama, pâncreas e fígado. A informação foi confirmada pela família da mulher em comunicado divulgado à imprensa. 

"Ela estava em paz, sem dor, em casa e rodeada por sua amada família. Foi exatamente do jeito que ela queria. Ela viveu a vida como quis, e morreu como quis", disse Tabitha, filha de Cooper. Ela também afirmou que a polícia procurou a mãe após as declarações sobre a morte da criança. 

Recentemente, Antonya assumiu ter matado o filho no ano de 1981 com uma grande dose de morfina. O garoto teve uma morte silenciosa por causa do medicamento. Ele enfrentava a doença em estágio 4 quando morreu. 

Leia também:Polícia descobre quem mandou mulher jogar soda cáustica em jovem

"Na última noite de Hamish, quando ele disse que estava com muita dor, eu falei: 'Você gostaria que eu acabasse com a dor?', e ele respondeu: 'Sim, por favor, mamãe'. E por meio do cateter de Hickman, dei a ele uma grande dose de morfina que pôs fim silenciosamente à sua vida", contou ela em entrevista à Radio Oxford, da BBC. 

“Foi a coisa certa a fazer. Meu filho estava enfrentando o sofrimento mais terrível e a dor mais intensa, eu não iria permitir que ele passasse por isso", justificou em seguida, que admitiu ter cometido homicídio culposo contra o próprio filho. 

O irmão de Tabitha foi diagnosticado aos cinco anos com neuroblastoma, um câncer raro que atinge principalmente crianças. De acordo com Antonya, os medicos deram apenas três meses de vida para ele.