Contigo!
Busca
Facebook Contigo!Twitter Contigo!Instagram Contigo!Youtube Contigo!Tiktok Contigo!Spotify Contigo!
Notícias / Caso Isabelly

Polícia descobre quem mandou mulher jogar soda cáustica em jovem

Isabelly ficou 17 dias internada em estado grave após ser atingida por soda cáustica

Redação Contigo! Digital Publicado em 03/07/2024, às 20h57 - Atualizado em 04/07/2024, às 12h41

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Isabelly Aparecida Ferreira Moro teve rosto atingido por produto químico - Foto: Reprodução/Instagram
Isabelly Aparecida Ferreira Moro teve rosto atingido por produto químico - Foto: Reprodução/Instagram

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) descobriu que o ex-namorado de Isabelly Aparecida Ferreira Moro foi o responsável por mandar a atual namorada atirar soda cáustica contra a jovem em maio em uma rua de Jacarezinho, no Norte Pioneiro do estado.

Preso por cometer outros crimes, o homem aparece em conversas encontradas no celular da suspeita dando ordens para a namorada cometer o delito. Em áudios, ele chega a mudar o tom de voz após a mulher se mostrar insegura com o pedido.

Ele não teve sua identidade revelada, mas deve responder por mais um crime. Investigadores querem entender o que teria motivado o detento a mandar jogar o produto químico na ex-namorada. Isabelly terminou o relacionamento em janeiro e desde então não tinha contato com ele.

Caroline Fernandes, delegada responsável pelo caso, revelou à Globo que na conversa encontrada no telefone da suspeita o detento orienta a mulher a usar uma peruca. "Eles conversam sobre o disfarce, sobre a peruca, sobre a roupa, como ela iria se esconder depois que praticasse o crime. Ele exerce uma pressão nela para cometer o crime. Em alguns momentos, ela diz que não vai fazer, chega a recuar na prática do crime, mas ele determina que ela faça", disse.

A jovem foi socorrida ao pronto-socorro da cidade por um homem que estava na rua. Ela em seguida foi levada ao Hospital Universitário (HU) e ficou 17 dias internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).  Já a suspeita foi presa horas depois e confessou o crime.